Casais Assexuais

quarta-feira, agosto 23, 2017 Sha Capell 1 Comentários



Algumas pessoas quando se descobrem assexuais pensam que nunca conseguirão ter um relacionamento amoroso com alguém devido à sua falta de interesse em sexo. Outros acreditam que casais assexuais são praticamente uma lenda. Então vamos mostrar duas lindas histórias para vocês se animarem a não desistir de buscar sua felicidade.



Tenho 38 anos, sou divorciada e tenho um filho de 7 anos. Eu sempre fui rotulada como esquisita pela minha família. Mas me "esforcei" bastante para me encaixar. Fui casada por 11 anos e meu filho é fruto desse relacionamento. Era um casamento fadado ao fracasso porque eu nunca o amei e não gostava de ter relações sexuais. Só me descobri demissexual durante a terapia pós-divórcio. Na designação da minha psicóloga, sapiossexual, mais precisamente.


A partir dessa nova nomenclatura, comecei a pesquisar sobre esse assunto no Facebook. Num grupo privado, vi um post sobre um grupo no Whatsapp. Passei a participar. Trocar ideias, de assuntos em geral. Um dos membros me indicou outro grupo. Nesse grupo que conheci meu marido atual que também é demissexual. Não tinha muita pretensão. Eu havia me decidido a abandonar qualquer sonho de relacionamento. Afinal, como eu sempre ouvi: eu era muito fresca, muito exigente etc. Minha "sorte" é que sempre fui muito ocupada com filho, carreira, etc. Então eu conseguia sufocar e mascarar bem o meu lado romântico. Só que, desde a primeira conversa, ele perturbou minha mente. Rolavam afinidades inquestionáveis. Ele me fazia rir. Eu podia ser eu mesma. Não precisava fingir ser meiga e fofa.

As conversas no grupo eram diárias, até que ele me chamou no privado e começamos a conversar mais. Horas a fio de assuntos intermináveis. Até que em outubro conversamos até o amanhecer. Nesse dia, ele me pediu em namoro. Eu aceitei. Ignoramos a distância e ficamos em fazer as coisas acontecerem. Eu moro em Roraima. Ele morava no interior de São Paulo. Em dezembro fui para o Rio de Janeiro passar as férias de fim de ano com a minha família. Ele se programou no trabalho para passar as festas e os fins de semana comigo. Até hoje me lembro do quanto eu me achava louca de pegar um táxi, rodar mais de duas horas até a rodoviária, para ir encontrá-lo. O ônibus dele atrasou e meu desespero só aumentava. Quando eu achei que meu coração ia se acalmar, ele se descompassou quado eu o vi chegando. Tal qual nas fotos, tal qual eu sonhara. Minha família se encantou por ele. Tivemos momentos incríveis. Ele me tirou no amigo oculto de Natal. Fez uma declaração que deixou sem palavras, sem chão.


O pedido de casamento foi feito no dia 26/12/16. Eu aceitei. Mas férias acabaram. E veio a longa espera até abril, quando ele teria 20 dias de férias. Então ele veio para Roraima, conhecer minha mãe, conviver mais com o meu filho. Minha mãe é daquelas pessoas difíceis de se cativar e que dificilmente gostam de alguém. Ela o adora. Meu filho o ama muito. Decidimos nos casar em agosto, quando ele terminaria a faculdade e viria para cá em definitivo. Nosso casamento foi dia 12/08/17."


divisória


Sou do RJ, assexual estrita. O conheci numa boate. Eu estava num dia ruim e ele também. Não queria participar de nada e pegação não me interessava. Resolvi ficar sentada num cantinho observando tudo, ele se aproximou resolveu puxar conversa, a princípio pensei que ele estava interessado em mim, mas depois ele demonstrou que só queria bater papo mesmo. A conversa rendeu, rimos muito, no final da noite acabou que trocamos um beijo, mas não trocamos contato porque eu realmente não estava interessada em relacionamentos e queria manter distância de qualquer possibilidade de um.

Cerca de 6 meses depois nos esbarramos em outro evento da região. Novamente conversamos por horas e a conversa foi ótima. Ele pediu outro beijo e eu neguei. Não queria que continuássemos esse tipo de envolvimento. Fiquei com receio dele se afastar, mas para minha surpresa, continuamos papeando, e dessa vez sem cortejos. Dessa vez trocamos contato, pois havíamos conversado sobre envolvimento e ficou claro para ambos que não rolaria nada além de amizade.

O tempo foi passando, continuávamos conversando e o interesse ressurgindo... Acabou que começamos a ficar novamente e quando vi estávamos namorando. E agora?! Eu já havia contado que era assexual e ele não teve nenhuma reação negativa quando contei. Até disse: 'Sou mais ou menos assim também.'. Mas não levei à sério porque muitos alos usam esse discurso para se aproximar de assexuais. O tempo foi passando e como era de se esperar em algum momento precisamos conversar sobre sexo. Expliquei que sexo para mim é indiferente. Ele respondeu que tudo bem. Que apesar de sentir atração, ele não via tanta necessidade de sexo, então não encontraria nenhum problema em ficar sem. Combinamos isso. Ficaríamos sem por um tempo e quando eu me sentisse à vontade a gente faria vez ou outra.

Depois de uns 3 meses de namoro, começo a perceber que ele simplesmente não consegue entender como as pessoas sentem atração primária. Ele só consegue sentir atração quando tem algum vínculo com a pessoa. Sim, ele é demissexual! Eu não acreditei quando descobri, já estávamos namorando e nada disso tinha sido planejado, e perceber que eu estava namorando outro ace foi uma maravilhosa surpresa. Esse relacionamento durou 3 anos e meio, infelizmente acabou, mas foi maravilhoso enquanto durou."



Obs: Nomes foram omitidos e fotos não divulgadas à pedido dos casais.

Um comentário: